14 de janeiro de 2017

Mi Casa Es Su Casa





Para mim uma casa faz-se com calma, procurando as peças chave perfeitas para cada recanto e quando não se acham, agradecemos por existir IKEA. A gigante sueca é a favorita da nossa geração e já vos disse o porquê. Ainda assim, sinto falta de relíquias de mobiliário por aqui e sei que no Porto são mais fáceis de encontrar e económicas do que na capital. Na lista de desejos está um mini bar, uma mesa de trabalho, um tapete e uma poltrona. Embora por vezes pareça um tetris quase em game over, com mobília a encaixar de formas diferentes para caber uma árvore de Natal ou uma dispensa que surtiria um ataque de pânico a alguém obsessivo-compulsivo, em 6 meses está bastante organizada e confortável.

27 de dezembro de 2016

Sejamos Realistas...

Ninguém vai gastar tanto dinheiro num pijama, mesmo que o nome seja bem fancy - Odette, mas também ninguém está confortável numa mini saia de lantejoulas + stilettos ou num vestido justo que nos impede de continuar a petiscar noite dentro. E como o conforto é tendência máxima para 2017, vou dar uma ajudinha a entrar no ano com o pé direito!




23 de dezembro de 2016

F de... Franca Sozzani



"In these 25 years at ­“Vogue Italia” we have often taken that little mask off, we have participated, simulated, taken a stance. With facts: often, and definitely before anyone else, we have
often tackled themes that are usually ruled out from the scope of fashion magazines."
Redação da Vogue Itália, Novembro de 2016


Não conseguia escolher um designer, marca ou personalidade com a inicial F até pensar em Filippa K, um nome ainda discreto no sector. Como adoro o instagram da marca e os básicos com twist que fazem, iniciei a  pesquisa de imagens. Mas hoje a triste notícia do falecimento de Franca Sozzani foi a explicação para o adiamento deste post. Se há infelizes coincidências esta é uma delas...

Italiana, estudante de filosofia e literatura, iniciou o seu percurso na Vogue Bambini, em 1973. Seguiram-se LEI, futura Glamour italiana, e a Per Lui. Em 1988 chegou à Vogue Italia e passados apenas 6 anos tornou-se directora da revista, pautando o seu mandato por activismo social e inovação.